ESCRITÓRIO NOTURNOTHE MAJORNECRONAUTA - O ALMANAQUE DOS MORTOSMSP - NOVOS 50

A Discoteca de Carlos Imperial

Socorro, estou preso no final dos anos 70. minha obssesão pela década da qual só vivi 4 anos de minha vida [e influenciou minha absorção de Cultura Pop na década seguinte] está crescendo a cada dia. por conta do grande livro do Denilson Monteiro – “10, NOTA 10″, biografia de Carlos Imperial – estou mergulhando cada vez mais na cultura da época. mas ó, a primeira frase do post é zoeira, tô adorando.

por mais que ele tenha atuado como produtor musical, cinematográfico, ator e apresentador de tv desde os anos 50, são as comédias malucas [praticamente criadoras do estilo pornochanchada, cujo lançamento em DVD está sendo estudado pelo autor do livro junto com a família] e o PROGRAMA CARLOS IMPERIAL, difusor da disco[teche] no país, que têm me atraído.

deuzabençõe o canal MofoTV por me proporcionar esses registros. se liga nas vinhetas da Tupi \ TVS \ SBT antes do programa; daria pra fazer uma versão brasileira do clipe DVNO do Justice. até a porra do aviso da Censura tem seu charme olhando hoje em dia, dentro daquele contexto e falando do ponto de vista estético apenas.

[update 9.jan.2010: a música da vinheta da TVS de antes da abertura do programa é Reg Tisley – Hold The Road, me contaram no Youtube e o vídeo nos relacionados dessa música é a vinheta americana original]

a gostosa no vídeo abaixo é a cantora Rosana:

entrada:

Gretchen era GATA, praticamente uma Vampirella brasileira:

apresentação das Lebres do Imperial, as dançarinas do programa:

Celma e Célia, gêmeas da Turma da Pesada, investindo na Disco:

Fernando Santos, Disco-Umbanda:

Os Nômades, disco-cigana, seguidos do conjunto Rabo de Saia:

Dudu França – Grilo na Cuca [a “polêmica” era porque lembrava “filho da puta”? não sei, mas lembro que essa bombou muito], cuja letra
é do próprio Imperial:

em um os concursos de dança [valendo CR$ 5.000] apareceu um jovem Eri Johnson:

armação de Imperial: fazer a platéia invadir pra agarrar Fábio – seu artista-xodó:

Imperial sempre ia na onda do momento, mas não esquecia as raízes roqueiras, até porque o Glam Rock tava na moda, hehe:

que flertava com a disco através de grupos com o hippie Superbacana. se liga na vinheta da Tupi com o barulhinho de CONTATOS IMEDIATOS DE 3º GRAU, que a Rede Manchete herdaria:

e Imperial mantinha suas ligações carnavalescas com o Samba: Nega Tanajura e Rico Medeiros:

a música de abertura é “Sábado Alucinante”, composta por Imperial e a banda Black Rio + a Sonia Santos na voz, que pode ser ouvida na íntegra nessa cena com Sandra Bréa em filme de mesmo nome:

Posts Recentes | Recent Posts:


One Response to “A Discoteca de Carlos Imperial”

  1. Fernando Santos says:

    GOSTEI DO BLOG PRINCIPALMENTE POR FALAR DO MEU AMIGO JÁ FALECIDO CARLOS IMPERIAL.
    VI UMA DAS APRESENTAÇÕES MINHAS ,ENTÃO PERGUNTO VC QUE TEM TANTA COISA DO IMPERIAL POR ACASO TERIA MAIS OUTRAS APRESENTAÇÕES MINHA .
    SE TIVER POR FAVOR ENTRA EM CONTATO COMIGO.
    VALEU FICO MUITO GRATO FERNANDO SANTOS.


RECOMENDADOS: