ESCRITÓRIO NOTURNOTHE MAJORNECRONAUTA - O ALMANAQUE DOS MORTOSMSP - NOVOS 50

XX

acordei meio pra baixo hoje. não sei se foi um pesadelo que tive ou porque fiquei boa parte do final do domingo ouvindo the xx, que vc já deve conhecer se é indie moderno [que conhece tudo antes, sempre].

eles são ingleses, são jovens [de 20 anos] tímidos e sensíveis, só aparecem vestidos de preto com correntes douradas, têm corte de cabelos istaile e mais importante: fazem um som muito delicado, calcado em melodias lindas [e batidas feitas ao vivo pelo moleque em duas MPCs (!), quase do mesmo jeito que o Sany Pitbull e o João Brasil fazem] costuradas por vozes em volume baixo, quase sussurradas. se segurar a banda com muita força pode até quebrar. num primeiro momento reducionista diria que são praticamente góticos.

mas são mais que isso. não dá hoje em dia pra dizer que são “tal coisa” – em 2009 é mais do que evidente que alguém nunca é só uma coisa, é uma mistura de referências sem fim. e isso é ótimo, dizer que “fulano é isso” e nada mais é coisa de jornalista preguiçoso. o Rapha se ligou que eles parecem ser do Brooklyn [NY] e não ingleses, e isso é uma grande chave – maior do que a que o Oliver costuma carregar pendurada no pescoço – pra entender que a mistura de referências faz deles algo mais rico do que “ah,são góticos”. claro, tem Cocteau Twins [que eu amo] ali, tem Mazy Star [que não suporto muito], mas tem bem mais coisas – tem eles mesmos.

quando comecei a ler sobre eles em vários sites \ blogs e me ligar que algo estava acontecendo, fui ouvir e me surpreendi. pensei que era um som agitado e talvez barulhento, ou pelo menos forte. talvez fosse minha cabeça voltada pra sons de pista trabalhando. é muito devagar o negócio, e achei chatíssimo, sonífero. a Annix falou pra mim “é the zzZZ” e sim, é maior som de soninho. não tenho muita paciência, não é pra toda hora. isso de cara me afastou – deve ser essa cabeça voltada pra pista mesmo, que procura sons mais acelerados e pra cima. tive de fuçar bastante até achar esse remix fodão do Rory Phillips pra ‘Crystalized’ que transforma a música quase em um tecnopop a la New Order.

mas aí nesse fim de semana comecei a ouvir mais o remix e fui atrás das outras músicas. e a ver um monte de vídeos. e fui fisgado. merda. apesar do hype, do pacote criado pra vender no frenético mercado inglês – e americano – eles não são assim à toa. preciso ler com calma as letras todas mas sinto que essa sensibilidade deles não é um act, rola uma vontade de se expressar ali, de botar pra fora suas impressões desse mundo feio e bizarro que é a Vida pelos olhos de um [pós-]adolescente.

http://www.myspace.com/thexx

Posts Recentes | Recent Posts:


Comments are closed.


Compre meus livros na Ugra Press: