ESCRITÓRIO NOTURNOTHE MAJORNECRONAUTA - O ALMANAQUE DOS MORTOSMSP - NOVOS 50

Walking Dead São Paulo – ou “Especulação Imobiliária é o Crack dos Ricos”


(Foto: Nilton Fukuda/AE)

do post muito pertinente do Camilo Rocha sobre a questão do “Walking Dead – São Paulo”:

[Neguinho] acha um sucesso o rolo compressor em cima da Cracolândia [aqui em vídeo]. “Até que fim estão fazendo alguma coisa”. Não se dá conta de não existe nenhum interesse ou jeito para atacar as raízes do problema. Se teve até jornalista que caiu nessa, quem dirá quem não lê nem quer saber.

Neguinho foi enganado mais uma vez. A história ali é outra: limpar a área para que se leve adiante o projeto Nova Luz, onde empreiteiras e incorporadoras de imóveis devem reconfigurar o local (veja esse vídeo que o Matias postou a respeito). Será que foi pedida alguma contrapartida social para esse pessoal que vai ganhar tanto dinheiro com a limpeza? Talvez cestas básicas para alguns esfomeados. Coisa pra neguinho ver.


[foto: Felix Lima/Folhapress]

um dos links interessantes levou pra essa matéria da Folha, efeito colateral dessa palhaçada pública, resultado de descaso e favorecimento da relação incestuosa entre políticos e empreiteiros – ironicamente essa limpa está ajudando a valorizar cada vez mais os imóveis em São Paulo, deixando tudo mais caro pros não usuários, enquanto os traficantes alugam apês baratinhos pra funcionar como novas casas de ópio [mas de crack]. resumo – só os filhos da puta continuam se dando bem.



[foto: Felix Lima – Folhapress]

Bairros de classe média abrigam cracolândias privês

Traficantes alugam apartamentos e casas na Vila Mariana, Paraíso e Bela Vista para receber viciados

Cachimbos de crack
AFONSO BENITES
DE SÃO PAULO
Em um espaço do tamanho de uma perua Kombi, seis homens dividem três cachimbos de crack feitos com antenas de TV e latinhas de alumínio.

Cinco deles estão sentados no chão. São iluminados por um lampião que contrasta com a janela de vidros escurecidos. O outro está em pé. Observa a cena ao lado da porta. Ali, não há móveis, tapetes, tampouco cortinas.

Passa das 16h de uma sexta-feira nublada em São Paulo. O ambiente descrito acima poderia ser em uma rua da cracolândia, na região central da cidade, mas não é.

Trata-se do interior de um apartamento de classe média na Bela Vista, a poucas quadras de um dos mais famosos corredores gastronômicos da metrópole, a rua Avanhandava. Lá, usuários de crack alugam a sala, o quarto e a cozinha com um único propósito: fumar a droga.

Com três celulares no bolso, um senhor cabisbaixo, aparentando ter 60 anos, era o responsável pela venda das pedras e também pelo aluguel do imóvel. Preço: R$ 10 (a pedra), mais R$ 10 pelo espaço usado para o consumo.

Antes mesmo da operação da Polícia Militar, que cercou a cracolândia na semana passada, a Folha percorreu, nos últimos seis meses, bairros como Vila Mariana, Bixiga, Paraíso, Penha e Bela Vista.

Nesses locais, a reportagem encontrou casas e apartamentos onde funciona um esquema até então desconhecido das autoridades, as cracolândias privês.

Dentro do apartamento da Bela Vista, o cheiro, uma mistura de tabaco, fumaça, óleo de lampião queimado e suor, é forte. Dois jovens estão alucinados. Acabaram de fumar a terceira pedra do dia. Entreolham-se e parecem apavorados, sem motivo aparente.

Um acaba de dar seu primeiro trago. Os outros três observam. Eles fumam cigarros. Esperam a vez para terem a sensação que tanto aguardaram após uma manhã inteira de trabalho em uma loja de informática ali perto.

As cracolândias privês são extremamente lucrativas e seguras para o criminoso. Ele ganha duas vezes: na venda da droga e na locação da área.

Para o usuário, a maioria homens de classes baixa e média, com idades entre 18 e 35 anos, de diferentes profissões, é algo discretíssimo.

Nesses ambientes, ele consegue fugir dos olhares de reprovação de moradores e também do controle policial.

Para entrar nesse submundo, é preciso ser apresentado por algum conhecido do traficante. Deve-se seguir a principal exigência do local, só consumir a droga vendida ali.

“Fique esperto, aqui não entra pedra [de crack] de outro lugar”, alerta o traficante.

LUZ DE LAMPIÃO

A Folha visitou cinco imóveis, entre casas e apartamentos. Em dois deles, a reportagem entrou acompanhada de um usuário, em tratamento, que conheceu na cracolândia enquanto apurava outra história. Ele só aceitou apresentar o repórter às cracolândias privês porque diz estar indignado com a quantidade de jovens viciados na cidade.

À primeira vista, por fora, não é possível perceber que em qualquer um desses cinco lugares haja venda e consumo de drogas lá dentro.

Os apartamentos, na Bela Vista e no Bixiga, são iluminados por lampiões. Possuem pequenas brechas nas janelas, para não intoxicar quem está trancado lá. As portas permanecem quase o tempo inteiro fechadas.

Para ter acesso a eles, é preciso subir dois lances de escadas. Na sequência, deve-se comprar a “pê” (pedra de crack) vendida na própria escadaria e pedir que o vendedor autorize a entrada -vale registrar que o repórter não comprou a droga.

Já as casas, ou estavam abandonadas e foram invadidas ou haviam sido alugadas pelos traficantes por preços baixíssimos por conta de seu mau estado de conservação.

Elas estão na Vila Mariana, Paraíso e Penha. Os muros têm mais de três metros de altura. Os portões não têm brechas, o que impossibilita que alguém, do lado de fora, observe o que acontece ali.

A casa da Vila Mariana não é imunda como os cortiços fechados pela operação da polícia no centro paulistano.

A morada é simples. Fica em uma rua bem arborizada, próxima de um posto de gasolina, rodeada por prédios residenciais. Dentro dela, poucos móveis. Uma mesa e duas cadeiras na sala, onde ficam o “patrão” ou seu subordinado. Ao todo, são 11 cômodos improvisados, transformados em quartos, coletivos ou individuais. São divididos por finas paredes de madeira compensada.

Há dois tipos de cracolândia privê. Nos apartamentos, o usuário compra a pedra com o traficante e a consome em um dos cômodos.

Na outra, vive no lugar, chamado “mocó”. Pode tomar banho, comer, dormir. O valor varia conforme a forma de pagamento. Adiantado em dinheiro, R$ 210. Se for pagar no fim do mês, R$ 300.


[foto: Rafael Andrade/Folhapress]

Posts Recentes | Recent Posts:

Leia também: / Read More:

Doctor Who - 1ª GallifreyCon este sábado em São Paulo
A rua em que o Twitter fez a curva neste domingo
Circulando, cidadãos. O negócio dos seus patrões está protegido mais uma vez.
Que mistérios se escondem no hospital abandonado?

Comments are closed.


Compre meus livros na Ugra Press: