ESCRITÓRIO NOTURNOTHE MAJORNECRONAUTA - O ALMANAQUE DOS MORTOSMSP - NOVOS 50

A treta da tradução coletiva

trombei com esse texto da edição temática da revista COM CIÊNCIA sobre Tradução. tenho pesquisado mais sobre o mundo aparentemente obscuro da tradução literária e parece que fazem trabalhos interessantes nessa Casa Guilherme de Almeida.

Não sabia que era possível uma tradução literária coletiva porque pra mim cabe ao tradutor transpor o estilo do original, uma tarefa que muitas vezes envolve recriação artística. mas parece que não só é possível como tem um pessoal usando isso como exercício:

No exercício de tradução, muitas vezes, é comum que o tradutor tenha dúvidas e, para dissolvê-las, converse com um ou outro colega com alguma experiência na área. A prática da tradução coletiva, no entanto, é rara. “Não é uma prática comum. Normalmente, se você analisar traduções de obras completas, principalmente ficção, o máximo que você encontra são dois ou três tradutores”, afirma Alzira Allegro, doutora em letras pela Universidade de São Paulo (USP) e orientadora de oficinas de tradução na Casa Guilherme de Almeida. Depois da experiência com contos traduzidos em duplas e trios, que rendeu pequenos livros ainda hoje expostos na instituição, Allegro resolveu arriscar algo mais ousado: a tradução coletiva de um único romance. Foram oito meses de trabalho a 36 mãos – o romance americano Ruth Hall, de Fanny Fern, traduzido por 18 pessoas, está em fase de revisão para ser publicado.
[…]
Mas, em uma coisa, traduzir coletivamente não difere de qualquer outra tradução, segundo os entrevistados: levanta igualmente a polêmica da fidelidade devida ao texto original. “A dificuldade é a mesma”, afirma Allegro. “Fidelidade é uma coisa extremamente relativa em tradução. Você está sendo fiel ao autor? Você está sendo fiel à sua leitura do autor?”, questiona. E explica: “Na tradução, a gente lida muito com uma coisa que chamamos de ‘perdas e ganhos’. Há coisas que são intraduzíveis, então você tem que perder. Mas há coisas que você pode acrescentar. O que importa é tentar resgatar o original tanto quanto possível em termos de registro de tom, de como o autor fala, de sutilezas, de recriar certas situações… tudo isso faz parte do processo”. David ressalta que, nesse quesito, o importante é o embasamento teórico escolhido para orientar a tradução: “Você busca equivalência no sentido. Tendo base numa teoria, você pode chegar ao mesmo resultado da tradução individual”.

Posts Recentes | Recent Posts:

Leia também: / Read More:

Tradução de obras literárias cresce no país incorporando novos idiomas
50 filmes que - supostamente - são melhores que os livros
Die Antwoord vs Lady Gaga na selva da internet - fato ou ficção?
Bookshelf + Selfies = Bookshelfies

Comments are closed.


Compre meus livros na Ugra Press: